Informação sempre

Informação sempre

sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011

Composto antagonista ao hormônio do crescimento reverte sinais de envelhecimento

"Resultados são significativos porque as pessoas às vezes tomam hormônio de crescimento, acreditando ser a fonte da juventude"


Dr. John Morley, professor de geriatria e endocrinologia
 da Universidade Saint Louis

Substância que age no sentido oposto ao hormônio do crescimento pode ser nova arma para reverter sinais do envelhecimento. É o que relata estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Saint Louis, nos Estados Unidos.
A descoberta caminha na contramão da prática de algumas pessoas que tomam o hormônio com objetivo de retardar os sinais da idade.
Resultados em ratos
Os cientistas estudaram o composto MZ-5-156, um antagonista do hormônio liberador do hormônio do crescimento (GHRH).
Eles realizaram suas pesquisas no modelo do rato SAMP8, uma linhagem criada para os estudos do processo de envelhecimento.
Em geral, os pesquisadores descobriram que MZ-5-156 teve efeitos positivos sobre o estresse oxidativo no cérebro, melhorando a cognição, a atividade da telomerase (enzima que protege o material do DNA) e o tempo de vida.
MZ-5-156, como muitos antagonistas GHRH, inibiram vários cânceres humanos, incluindo o de próstata, mama, cérebro e pulmão. Ele também teve efeitos positivos na aprendizagem, e está ligado à melhoria da memória de curto prazo. A ação antioxidante levou a um menor estresse oxidativo, revertendo o prejuízo cognitivo em camundongos em processo de envelhecimento.
Para o autor principal do estudo, William A. Banks, os resultados levaram a equipe a confirmar que o antagonista do hormônio liberador do hormônio do crescimento tem efeitos benéficos sobre o envelhecimento.
"Os resultados são significativos porque as pessoas às vezes tomam hormônio de crescimento, acreditando ser essa é a fonte da juventude", afirmou o coautor do estudo, John E. Morley.

 
                                                                                                                 Fonte: Isaude.net


Sem comentários:

Enviar um comentário